Áreas de Atuação

Conheça as áreas atendidas.

O câncer urológico é muito frequente e pode acometer a próstata, os rins, a bexiga, as glândulas suprarrenais ou adrenais, o testículo, o pênis, a uretra e os canais transportadores de urina, chamados de ureteres. O câncer de próstata é o câncer que mais acomete os homes, podendo atingir um em cada 6 homens ao longo da vida. As lesões nos rins, bexiga, glândulas suprarrenais, na uretra e nos ureteres podem acometer tanto homens quanto mulheres, e acontecem normalmente após os 40 anos. Os tumores de próstata e pênis podem acometer os homens após essa idade. Já o tumor de testículo, embora possa acontecer no idoso, tem uma incidência maior entre os 15 e 35 anos.


A grande maioria dos tumores urogenitais pode ser curada, desde que o diagnóstico seja precoce, ou seja, logo no início da doença.  


Os sinais de que alguma coisa não vai bem incluem hematúria (urina com sangue), dores lombares, massa anormal palpável no abdome ou testículo, dificuldade de fazer xixi, necessidade de fazer muita força para urinar, entre outros. Porém, alguns tumores não dão sinais até estarem grandes, o que reforça importância dos exames de rastreamento e detecção precoce, normalmente realizados a partir dos 40 anos.


Litíase ou cálculos (pedras) podem acontecer nos rins, no canal que faz a ligação entre os rins e a bexiga, chamado de ureter e na própria bexiga. É uma doença muito comum e suas causas podem ser variadas, tais como fatores genéticos, alimentares, metabólicos entre outros. Quando localizadas nos ureteres, normalmente causam dor muito intensa (cólicas). O diagnóstico por imagem é fundamental para delinear o tratamento, que pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo do tamanho, localização e quantidade de cálculos. Quando indicado o tratamento cirúrgico, na grande maioria das vezes ele é endoscópico e sem incisões na pele (cortes), utilizando-se tecnologia a laser (Holmium Laser). 


HPB é o aumento benigno do volume da próstata, que é uma glândula localizada na saída da bexiga, e que é atravessada pela uretra. Logo, o aumento benigno da próstata leva a sintomas que vão desde dificuldade de esvaziar a bexiga, jato urinário fino, fraco e entrecortado, até incontinência urinária por transbordamento do conteúdo da bexiga e em casos avançados, falência da bexiga e até dos rins.


Na grande maioria dos casos o tratamento clínico com medicamentos é muito eficaz no alívio dos sintomas. Nos casos em que não há resposta ao tratamento clínico, optamos pelo tratamento cirúrgico, que pode ser realizado por via endoscópica (pela uretra, sem incisões ou cortes na pele) e inclusive com o emprego da tecnologia a laser (GreenLight Laser ™).

Cirurgia minimamente invasiva é o nome genérico de uma série de técnicas e métodos cirúrgicos empregados com a finalidade de se obter o melhor resultado cirúrgico, porém sem incisões (cortes na pele) ou com um mínimo de incisões (apenas para a passagem de instrumentais muito finos), o que resulta em menor tempo de recuperação, menos dor pós-operatória e melhor resultado estético.

A disfunção sexual masculina pode ocorrer de diversas formas, sendo a ejaculação precoce e a disfunção na ereção as mais frequentes. O tratamento é dirigido para a causa base da disfunção e pode variar de mudanças no estilo de vida a terapia medicamentosa e em alguns casos até cirúrgica (prótese peniana).

Vasectomia
Reversão de vasectomia
Infertilidade masculina
Incontinência urinária masculina
Incontinência urinária feminina (Incontinência urinária de esforço – Urge-incontinência)
Estenose de uretra
Urodinâmica
Cirurgias urológicas em geral